quarta-feira, 3 de maio de 2017

Uma visita na China

China


Tive a oportunidade de visitar Xangai pela terceira vez recentemente, e vou relatar nesse artigo alguns pontos que me chamaram a atenção nessa última viagem.





Sempre que chegamos de uma longa viagem ficamos exaustos e leva alguns dias para se recuperar do fuso horário e do cansaço da viagem, principalmente quando se viaja em classe econômica. Foram 14,5 horas em um trecho, mais 9,5 horas no trecho final, se contarmos desde a hora que saímos do hotel e chegamos em casa, foram 36 horas.

Visitamos alguns parceiros e foi possível ver a cordialidade deles em relação aos brasileiros. Não encontramos nenhum que falasse português, mas inglês quase todos que pretendem trabalhar com o comercio internacional falam fluente o que facilita muito.

Uma fábrica de médio porte possuía 3 robôs automatizados trabalhando no processo produtivo, o que é um bom diferencial, pois não conheço empresas de médio porte do ramo metalúrgico que utilizasse dessa tecnologia, isso tudo para aumentar a produtividade e se manter competitivo no mercado.

Utilizamos por várias vezes o transporte público, o que facilita bastante e ajuda com custo mais baixo. O metro por exemplo,  sai direto do aeroporto internacional e vai ate o centro da cidade e de toda malha de trem, é claro que um país com mais de 1,3 bilhões de habitantes não teria sua principal cidade sem muito movimento nos horários de pico, quase impossível andar no metro nesse horário. Em vários outros horários o movimento era bem intenso.
video


Outra opção é utilizar o trem Maglev que percorre 33km em 6 minutos, chegando até 431 km/h.
É a primeira linha de trem de alta velocidade Magleve comercial do mundo. (W)



Em 2008 eu já utilizei o Maglev, dessa vez estava chovendo e ele foi apenas à 300km/h


A limpeza também foi um destaque, toda a cidade muito limpa nas vias públicas, os banheiros também muito limpos. A segurança foi um ponto forte, pois em todos os dias nos sentimos seguros, diferente de outras cidades, é claro que roubos e outros crimes existem, mas em uma semana não vimos nada.

A poluição é algo forte na cidade que por vários dias parecia estar nublado ou com neblina de tão intensa a poluição dos automóveis e das empresas, o que fazia com que muitos usassem mascaras para andarem nas ruas.



Bem ao lado do centro de exposição da feira havia um dos muitos shoppings de Xangai e encontramos uma loja da TESLA, o carro que está revolucionando o mercado automobilístico, principalmente por conta de nas últimas semanas ter se tornado a montadora mais valiosa dos Estados Unidos superando GM e Ford. Visitamos os dois modelos de carros que fabricam, totalmente elétricos e com autonomia de andar mais de 500km com as baterias cheias. Perguntei sobre postos de recarga e me mostraram um mapa da China com muitos pontos. Fiz a mesma pesquisa sobre os postos de recarga no Brasil e ainda não tem nenhum. Reforçaram que estão investindo muito nos carros elétricos para reduzirem a poluição.



Outro negócio muito interessante foi o das bicicletas, em várias esquinas existem muitas de uns 3 modelos diferentes, onde qualquer um através de um aplicativo pode alugar a bicicleta e sair pedalando até o seu destino e deixa ali na esquina mesmo em um bicicletário. Um sistema de compartilhamento muito lucrativo para a Mobike e a OFO que apostam em uma receita de até 5,8 bilhões de dólares até 2020. Fonte: (http://www.mundobici.com.br/os-negocios-milionarios-do-bike-sharing-chines/)


Para as empresas que ainda não importam matéria prima, é sempre uma boa opção pensar em visitar a China, pois a quantidade de empresas estrangeiras presentes nas feiras é algo surpreendente, e a experiencia internacional é valiosa.



Logo que cheguei fui almoçar algo muito bom do nosso país, arroz, feijão e bife, realmente parecia ter outro sabor essa comida simples e saborosa.

Fiquem com Deus e até o próximo artigo.

Nivaldo J Silva