quarta-feira, 11 de maio de 2016

Empreendendo com os filhos.


No post de hoje vou comentar sobre dois pontos interligados com os negócios.

Recentemente fui convidado para participar de uma corrida realizada pelo Rotary Clube de Santa Bárbara d’Oeste. No Domingo convenci toda minha família para corre junto, como não sou nenhum maratonista fui no meu ritmo e consegui terminar os 8 km. Um detalhe importante, meu filho de 10 anos também quis participar, minhas tentativas de tentar fazê-lo mudar de ideia foram em vão, então largamos juntos na corrida, mas depois de uma volta ele já estava cansado e ficou para trás. No final da prova o organizador me procurou e disse que se meu filho completasse a prova ele ganharia um troféu. Então eu o procurei para dar a notícia a fim de incentivá-lo. Para minha surpresa ele já estava na reta final! Sua alegria ao ganhar o troféu foi tão grande, ele não estava ali competindo, ele estava somente se divertindo.


Outro exemplo que quero compartilhar: cultivamos o hábito da leitura e escrita em casa com meus filhos, outro dia encontrei uma estória que minha filha tinha escrito, era mais ou menos assim:
Eu gosto de brincar de casinha, pego caixa de papelão e monto minha casinha com reciclado, fica bonito e gosto muito.
Minha amiga disse que isso é coisa de criança. Eu disse que não é.
Fiquei triste e fui falar com a minha mãe. Mas ela estava ocupada e meu pai chegou e disse que devo continuar a fazer a casinha de papelão.
Eu fiz e levei na escola na feira de mostras de atividades e no fim eu ganhei o prêmio.

Minha filha tem 8 anos e é muito criativa é claro que é uma estória simples. Ela grava alguns vídeos conversando com suas bonecas, comportamento que se tem se tornado sucesso entre os Youtubers famosos, como por exemplo o 5incominutos da Kéfera, e Felipe Neto, eu tenho incentivado e até criei um canal paraoYoutube.




A ligação desses dois exemplos é a necessidade que temos para a resiliência, seria fácil para meu filho desistir da corrida e voltar na metade do caminho. Mas como todo empreendedor ele insistiu sem a necessidade de ganhar algo, no fim acabou ganhando o troféu, mas ele não sabia disso quando decidiu continuar até o fim. O mesmo acontece nos negócios, iniciamos sem saber se dará certo ou não. A questão é estarmos preparados e dispostos a enfrentar os desafios, mesmo quando tudo estiver difícil, continue.
Analisando minha filha e suas casinhas de papelão, esse comportamento é uma inspiração para a maleabilidade, se ajuste ao que você possui no momento. Existe um termo em empreendedorismo que é o “effectuation” veja esse material sobre effectuation, significa que devemos nos virar com o que temos. Um exemplo disso são os aplicativos para celular, investem-se recursos sem a certeza de quanto o retorno acontecerá. Onde é investido certa quantia de recurso e não tem certeza quanto terá de retorno, mas inicia-se com uma ideia e um pequeno investimento.
“Utilizo os exemplos dos meus filhos para refletirmos que é possível empreender. Essas atitudes são naturais, eles não fazem ideia do porque estão agindo assim. Cultive em você atitudes parecidas. Desenvolva com ajuda de recursos, e conhecimento, as habilidades empreendedoras que estão ‘adormecidas’ em você.
Observe o próximo, seus filhos, as pessoas com quem trabalha, identifique, reconheça e inspire-se em cada gesto empreendedor que eles tenham. ” Acredito que poderá se surpreender ao fazer esse simples ato de observar.
Fiquem com DEUS.
Até o próximo post.
NJS Consultoria Empresarial 

contato@njsconsultoria.com.br