sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Livro do Daniel Goleman - Liderança - 1



     Você é um líder socialmente inteligente?
   
  Recentemente li este livro de Daniel Goleman, ph.D.,  segue abaixo trecho sobre as sete qualidades  de um líder.
    
Para medir a inteligência social de um executivo e ajudá-lo a desenvolver um plano para melhorá-la, um especialista administra nossa ferramenta de avaliação comportamental, o Inventário de Competência Emocional e Social. Trata-se de um instrumento de avaliação de 360 graus pelo qual chefes, colegas, subordinados diretos, clientes e às vezes até membros da família avaliam um líder de acordo com sete qualidades da inteligência social.

Chegamos a essas sete qualidades integrando nosso esquema de inteligência emocional existente com dados reunidos por nossos colegas do Hay Group, que usaram indicadores objetivos para captar o comportamento de líderes de alto desempenho em centenas de empresas durante duas décadas. Aqui estão listadas cada uma das qualidades, seguidas por algumas das perguntas que fazemos para avaliá-las.


   Empatia

· Você compreende o que motiva as outras pessoas, mesmo aquelas com backgrounds diferentes?
· Você é sensível às necessidades dos outros?

S intonia

· Você escuta atentamente e pensa sobre como os outros se sentem?
· Você está sintonizado com o estado de espírito dos outros?

Percepção organizacional

· Você reconhece a cultura e os valores do grupo ou da organização?
· Você entende as redes sociais e conhece suas normas implícitas?

Influência

· Você persuade os outros envolvendo-os em discussões e recorrendo aos próprios interesses deles?
· Você obtém apoio de pessoas chave?

Desenvolvimento dos outros

· Você treina e orienta os outros com compaixão e pessoalmente investe tempo e energia na orientação?
· Você fornece o feedback que as pessoas acham proveitoso para seu desenvolvimento profissional?

Inspiração

· Você expressa uma visão convincente, desenvolve o orgulho do grupo e promove um tom emocional positivo?
· Você lidera extraindo o melhor das pessoas?

Trabalho de equipe

· Você solicita contribuições de todos na equipe?
· Você apoia todos os membros da equipe e encoraja a cooperação?


A inteligência social revela-se especialmente importante em situações de crise. Vejamos a experiência dos funcionários de um grande sistema provincial canadense de assistência médica que passará por drásticas reduções de despesas e reorganização. Pesquisas internas revelaram que os trabalhadores da linha de frente ficaram frustrados por não poderem mais dispensar aos seus pacientes um alto nível de cuidados. Notadamente, trabalhadores com líderes de baixa inteligência social relataram uma taxa de insatisfação de pacientes três vezes maior --- e de exaustão quatro vezes maior --- que seus colegas com líderes apoiadores. Ao mesmo tempo, enfermeiras com chefes socialmente inteligentes relataram uma boa saúde emocional e uma capacidade maior de cuidar de seus pacientes, mesmo durante o estresse das demissões. Esses resultados deveriam ser uma leitura compulsória para os conselhos diretores de empresas em crise. Esses conselhos costumam dar preferência ao expertise e não à inteligência social, quando selecionam alguém para orientar a instituição por períodos difíceis. Um gerente de crise precisa das duas coisas.


Ao explorarmos as descobertas da neurociência, ficamos impressionados com a correlação estreita entre as melhores teorias psicológicas do desenvolvimento e os recém-mapeados circuitos permanentes do cérebro. Ainda na década de 1950, por exemplo, o pediatra e psicanalista britânico D. W. Winnicott defendia as brincadeiras como uma forma de acelerar o aprendizado das crianças. Da mesma forma, o médico e psicanalista britânico John Bowlby enfatizou a importância de fornecer uma base segura da qual as pessoas pudessem tentar alcançar suas metas, correr riscos sem medo injustificável e explorar livremente novas possibilidades. Executivos teimosos podem considerar absurdamente indulgente e financeiramente insustentável preocupar-se com tais teorias num mundo onde o desempenho financeiro é a medida do sucesso. Mas à medida que novas formas de medir de forma científica o desenvolvimento humano começam a confirmar essas teorias e vinculá-las diretamente ao desempenho, o chamado lado brando dos negócios começa a não parecer tão brando assim.


Você é um líder socialmente inteligente? p. 106-107

Fiquem com Deus e até o próximo post.
Nivaldo J Silva